fbpx

Direitos trabalhistas de quem exerce cargo de confiança

Direitos trabalhistas para cargo de confiança

É cada vez mais comum existir cargos de confiança nas empresas.

O que é um cargo de confiança?

Estes profissionais ocupam cargos de gestão e liderança, geralmente em posições estratégicas para representar a imagem do próprio empregador e da instituição, bem como, influenciar diretamente nas decisões da empresa e trazer mais resultados para empresa.

Por assumir responsabilidades e ter autonomia para tomar decisões que envolvem o sucesso dos negócios, estes colaboradores têm alguns benefícios diferenciados.

Quais são os principais direitos de cargos de confiança?

Não existe no ordenamento jurídico um artigo que traga uma definição exata e específica do conceito de cargo de confiança.

No entanto, existem artigos esparsos na CLT que indicam características do empregado que exerce este cargo diferenciado.

Jornada de trabalho, horas extras e adicional noturno

De acordo com o artigo 62, inciso II e artigo 499 da CLT, a jornada de trabalho de quem exerce cargo de confiança é livre de controle, pois possuem um horário flexível e suas atividades são focadas em metas e resultados.

Quanto a hora extra, empregados que exercem cargo de confiança não possuem jornada de trabalho fixa e não fazem controle de ponto, por isso, não tem direito a receber hora extra.

O adicional noturno também não faz parte das bonificações recebidas por quem exerce cargo de confiança.

Quando é obrigatório o pagamento de 40% a mais para quem exerce cargo de confiança?

Muitos empregadores e empregados tem dúvidas quanto os direitos e deveres de cada parte e uma delas é sobre a gratificação de 40% sobre o salário.

O colaborador que exerce cargo de confiança terá um salário, no mínimo, 40% acima do salário pago aos empregados que lhe são imediatamente subordinados, sendo que estes 40% não são incorporados aos cálculos de férias e décimo terceiro, mas devem, obrigatoriamente, ser registrados na carteira de trabalho.

Mesmo sendo um dos requisitos para exercer um cargo de confiança, a gratificação pode ou não ser aplicada.

O o artigo 62 da CLT em seu parágrafo único, esclarece que a remuneração diferenciada deverá ser aplicada quando o salário do cargo de confiança, incluindo a gratificação de função, for menor que o valor do salário acrescido de 40%.

 Art. 62 – Não são abrangidos pelo regime previsto neste capítulo:  

Parágrafo único – O regime previsto neste capítulo será aplicável aos empregados mencionados no inciso II deste artigo, quando o salário do cargo de confiança, compreendendo a gratificação de função, se houver, for inferior ao valor do respectivo salário efetivo acrescido de 40% (quarenta por cento).    

Retirada ou perda da gratificação de cargo de confiança

Com a Reforma Trabalhista, a Súmula 372 do TST que previa que após 10 anos consecutivos exercendo o cargo de confiança, a gratificação de 40% seria incorporada ao salário base foi anulada independente do tempo em exercício.

Com isso, é possível que o empregado seja revertido à função que anteriormente exercia, perdendo assim o cargo de confiança, independentemente de justo motivo, de acordo com o artigo 468, parágrafo 2º da CLT, redação inserida através da Lei 13.467/2017.

Assim, se o colaborador deixa de exercer a função de cargo de confiança, o acréscimo de 40% pode ser retirado de sua remuneração.

 

Transferência provisória

Uma questão importante para aqueles que ocupam cargo de confiança em uma empresa é a possibilidade de transferência provisória desse colaborador.

O artigo 469 da CLT esclarece que é proibido transferir o colaborador para outra localidade sem sua concordância.

No entanto, existem situações nas quais o empregador pode transferir o colaborador para outro local sem que ele concorde, como por exemplo:

  • Quando mencionado no contrato de trabalho como condição;
  • Quando o colaborador designado em forma legal, desempenhe a habilidade de liderança amplamente, a fim de representar a empresa nos atos de sua gestão.

O escritório de advocacia Creuza Almeida é especialista em Direito do Trabalho em Recife/PE.

 

Entre em contato conosco e conte-nos e agende uma reunião.

Creuza de Almeida Costa é fundadora do Creuza Almeida Escritório de Advocacia.
Formada em Direito em 2008 pela FIR – FACULDADE INTEGRADA DO RECIFE, pós graduada em Processo Penal, Direito Penal e Ciências Criminais.
Palestrante e Professora.
Vice-Presidente da ABRACRIM/PE – Associação Brasileira de Advogados Criminalistas.
Diretora Nacional de Relações Institucionais da ABCCRIM – Academia Brasileira de Ciências Criminais.
Presidente da comissão de processo penal constitucional da ABCCRIM
Coautora do livro Mulheres da Advocacia Criminal.
Premiada Mulher Evidência 2019.
Prêmio Destaque Nordeste.

Ligue
Rota
WhatsApp Fale com a Advogada!