fbpx

Quando cabe dano moral na Justiça do Trabalho?

Dano moral na Justiça do Trabalho

A Constituição Federal dispõe no artigo 114, inciso VI que, qualquer pessoa, tem direito a receber indenização por dano moral. Desta forma, ninguém será submetido a tratamento desumano ou degradante e o direito de resposta, quando cabível, será assegurado sem prejuízo da reparação do dano material ou moral.

O dano moral no trabalho deve ser visto e entendido pelo empregador como uma dor, um vexame, sofrimento ou humilhação, algo que foge à normalidade, interferindo intensamente no comportamento psicológico do empregado.

O dano moral decorrente das relações de trabalho, é uma indenização determinada pelo Justiça quando houver a comprovação de violação a ordem moral de uma pessoa no seu ambiente de trabalho principalmente, no que se refere à sua liberdade, à sua honra, à sua saúde (mental ou física) e à sua imagem.

Quando são mencionados na legislação os termos intimidade, vida privada e honra, a referência é à vida particular do indivíduo (que somente a ele lhe diz respeito), e a ele é garantido o direito de tornar público ou não suas informações ou acontecimentos ocorridos.

A demanda por dano moral decorrente das relações trabalhistas cresceu nos últimos anos, mas não é qualquer constrangimento que será considerado passível de dano moral.

O dano moral deve ser visto e entendido como uma dor, um vexame, sofrimento ou humilhação que, fugindo à normalidade, interfira intensamente no comportamento psicológico da pessoa, causando-lhe sofrimento, angústia e desequilibro emocional.

Nas relações de emprego, o dano moral se configura quando um empregado sofre por atitudes desagradáveis de outros empregados, dos seus superiores ou do próprio empregador. Assim, conforme o artigo 932, inciso III do Código Civil, o empregador é responsável por reparar os danos causados pelos seus empregados e preposto no exercício de suas funções ou em razão delas.

Uma das novas previsões inseridas na CLT através da Reforma Trabalhista diz respeito a indenização por dano moral na relação de emprego.

A Reforma Trabalhista criou normas específicas para o julgamento das indenizações decorrentes da relação de emprego, acrescentando no Título II-A da CLT, os artigos 223-A e 223-B, para tratar exclusivamente do dano extrapatrimonial.

Art. 223-A.  Aplicam-se à reparação de danos de natureza extrapatrimonial decorrentes da relação de trabalho apenas os dispositivos deste Título.   (Incluído pela Lei nº 13.467, de 2017)

  Art. 223-B.  Causa dano de natureza extrapatrimonial a ação ou omissão que ofenda a esfera moral ou existencial da pessoa física ou jurídica, as quais são as titulares exclusivas do direito à reparação. (Incluído pela Lei nº 13.467, de 2017)

Causam dano extrapatrimonial a ação ou omissão que ofenda a pessoa física ou jurídica, elencando bens juridicamente tutelados nesses casos.

PESSOA FÍSICA:

  • Honra;
  • Imagem;
  • Intimidade;
  • Liberdade de ação;
  • Autoestima;
  • Sexualidade;
  • Saúde;
  • Lazer;
  • Integridade física.

 

PESSOAS JURÍDICAS (são tutelados com bem jurídico):

  • A imagem;
  • A marca;
  • O nome;
  • O segredo empresarial;
  • O sigilo de correspondência.

 

Quais são os critérios para fixação do valor da indenização por dano moral decorrente do trabalho?

Quem irá decidir ou não a existência do dano moral é o juiz, que observando os critérios abaixo definirá a gravidade do dano.

  • O bem tutelado (honra, imagem, lazer, etc.);
  • A intensidade do sofrimento ou da humilhação;
  • A possibilidade de superação física ou psicológica do dano;
  • As condições em que ocorreu o dano e as consequências na vida do ofendido;
  • A extensão e duração do dano;
  • O grau de dolo ou culpa dos envolvidos;
  • A existência de retratação espontânea;
  • O esforço para minimizar os danos;
  • A ocorrência de perdão, de forma presumida ou expressa;
  • A situação social e econômica das partes;
  • O grau de publicidade da ofensa.

 

VALOR DE INDENIZAÇÃO POR DANO MORAL NO TRABALHO

A partir dos critérios avaliados pelo juiz, ele irá definir o valor da indenização por dano moral de acordo com a gravidade do dano causado ao empregado.

As ofensas podem ser de natureza leve, média, grave ou gravíssima.

A partir da Reforma Trabalhista e conforme a nova dada ao parágrafo 1º do artigo 223-G, a indenização por danos extrapatrimoniais, também conhecida como danos morais, terá um valor máximo limitado de acordo com a gravidade da ofensa e o último salário contratual do empregado ofendido, sendo:

  • 1oSe julgar procedente o pedido, o juízo fixará a indenização a ser paga, a cada um dos ofendidos, em um dos seguintes parâmetros, vedada a acumulação: (Incluído pela Lei nº 13.467, de 2017)

I – ofensa de natureza leve, até três vezes o último salário contratual do ofendido; (Incluído pela Lei nº 13.467, de 2017) (Vide Processo 1004752-21.2020.5.02.0000)

II – ofensa de natureza média, até cinco vezes o último salário contratual do ofendido; (Incluído pela Lei nº 13.467, de 2017) (Vide Processo 1004752-21.2020.5.02.0000)

III – ofensa de natureza grave, até vinte vezes o último salário contratual do ofendido;  (Incluído pela Lei nº 13.467, de 2017) (Vide Processo 1004752-21.2020.5.02.0000)

IV – ofensa de natureza gravíssima, até cinquenta vezes o último salário contratual do ofendido. (Incluído pela Lei nº 13.467, de 2017) (Vide Processo 1004752-21.2020.5.02.0000)

 

Em caso de reincidência da ofensa entre as mesmas partes, a indenização poderá ter o valor dobrado.

O combate ao assédio moral deve ser prioridade dentro de uma empresa e é de suma importância que os empregadores incentivem seus empregados a usar de precaução no exercício de suas atividades.

O escritório de advocacia Creuza Almeida é especialista em Direito do Trabalho em Recife/PE, auxiliando empresas a escolher o melhor caminho na hora de lidar com os funcionários e esclarecer todas as dúvidas sobre a legislação trabalhista.

Entre em contato conosco e conte-nos e agende uma reunião.

Creuza de Almeida Costa é fundadora do Creuza Almeida Escritório de Advocacia.
Formada em Direito em 2008 pela FIR – FACULDADE INTEGRADA DO RECIFE, pós graduada em Processo Penal, Direito Penal e Ciências Criminais.
Palestrante e Professora.
Vice-Presidente da ABRACRIM/PE – Associação Brasileira de Advogados Criminalistas.
Diretora Nacional de Relações Institucionais da ABCCRIM – Academia Brasileira de Ciências Criminais.
Presidente da comissão de processo penal constitucional da ABCCRIM
Coautora do livro Mulheres da Advocacia Criminal.
Premiada Mulher Evidência 2019.
Prêmio Destaque Nordeste.

 

Ligue
Rota
WhatsApp Fale com a Advogada!
%d blogueiros gostam disto: