fbpx

Regimes prisionais no Brasil

Regimes Prisionais

Regime prisional é o nome que se dá, dentro do ordenamento jurídico brasileiro, ao tipo de comprimento de pena imposta pela justiça àqueles que cometerem crimes.

De acordo com o Código Penal e a Lei de Execuções Penais – Lei 7.210/84, além das legislações administrativas de cada ente da federação.

Os regimes prisionais no Brasil são divididos em três categorias:

  • Fechado;
  • Semiaberto; e
  • Aberto.

O tipo de regime que o indivíduo cumprirá pena é definido no momento da sentença condenatória, pois é justamente na sentença que estará previsto se haverá condenação, se a pena será cumprida em prisão e qual o tempo da pena.

Quanto mais grave for o crime cometido, mais rigorosa será a pena de prisão e, por consequência, o regime prisional em que o réu ficará.

Para melhor entendimento, é necessário falarmos antes sobre as diferenças entre crime e contravenção.

Tanto o crime quanto a contravenção penal são espécies de infração penal, sendo consideradas condutas ilícitas perante a lei.

O Código Penal – Decreto-lei no 2.848/1940, define crime e contravenção da seguinte forma:

“Considera-se crime a infração penal que a lei comina pena de reclusão ou detenção, quer isoladamente, que alternativa ou cumulativamente com a pena de multa; contravenção, a infração penal a que a lei comina, isoladamente, pena de prisão simples ou de multa, ou ambas, alternativa ou cumulativamente.”

Pode-se dizer então que a diferença entre crime e contravenção é a espécie de pena que será aplicada ao réu. Desta forma, o crime está sujeito a pena de reclusão e detenção e a contravenção, prisão simples.

Portanto, dependendo do tipo de crime, de sua gravidade e de sua pena, o condenado iniciará a pena em um dos três regimes.

Assim, se o crime é punido com reclusão, os regimes iniciais são: fechado, semiaberto e aberto.

Se o crime é punido com detenção, os regimes iniciais são: semiaberto e aberto.

Regime fechado: este tipo de regime é determinado quando se pratica algum crime que prevê a pena de reclusão. Nele, a pena é cumprida em estabelecimento de segurança máxima ou média.

De acordo com a Lei de Execução Penal, o detento é encaminhado ao regime fechado em caso de condenações de oito ou mais anos de reclusão, sendo obrigado a permanecer todos os dias na unidade prisional. São definidas quantas horas diárias de trabalho e de sol o detento poderá ter.

Para progredir para o semiaberto, o condenado precisa cumprir um sexto de sua pena e ter bom comportamento atestado pelo diretor do presídio.

Regime semiaberto: este tipo de regime é previsto quando o crime prevê pena de detenção. Nele a pena é cumprida em colônia agrícola, industrial ou estabelecimento similar.

Segundo o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), não sendo caso de reincidência, o regime semiaberto destina-se para condenações entre quatro e oito anos.

Nesse tipo de cumprimento de pena, a pessoa tem o direito de trabalhar e fazer cursos fora da prisão durante o dia, mas deve retornar à unidade penitenciária à noite. Além disso, o detento tem o benefício de reduzir o tempo de pena através do trabalho: um dia é reduzido a cada três dias trabalhados.

A Lei de Execução Penal prevê que o condenado vá para o regime aberto com as mesmas condições: cumprir um sexto da pena e ter bom comportamento.

Regime aberto: este tipo de regime serve também para crimes que preveem pena de detenção. A execução da pena pode ser feita em casa de albergado ou estabelecimento adequado.

O regime aberto é direcionado para pessoas condenadas até quatro anos sem que tenha reincidência de crime. Nesse regime, o detento deve trabalhar, frequentar cursos ou exercer qualquer outra atividade autorizada durante o dia e recolher-se à noite em casa de albergado ou na própria casa.

Progressão de pena

A progressão de regime é a possibilidade de o preso passar do regime prisional que está cumprindo pena para outro mais benéfico.

De acordo com o Código Penal, as penas privativas de liberdade devem ser executadas de forma progressiva, ou seja, com intuito de auxiliar na ressocialização do indivíduo. Sendo assim, a pena que iniciar no regime fechado deve progredir para o semiaberto ou do semiaberto para o aberto após cumpridos todos os requisitos.

De acordo com o CNJ, para os crimes considerados hediondos, como estupro, a progressão de regime se dá após o cumprimento de dois quintos da pena, se o condenado for primário, e de três quintos, se reincidente.

O escritório de advocacia Creuza Almeida Advogados é especialista na área criminal e conta com uma banca de advogados criminalistas para prestar esclarecimentos jurídicos aos clientes, mostrando qual a melhor forma de defesa.

Fale com Creuza Almeida Advogados clicando aqui.

Creuza de Almeida Costa é fundadora do Creuza Almeida Escritório de Advocacia.
Formada em Direito em 2008 pela FIR – FACULDADE INTEGRADA DO RECIFE, pós graduada em Processo Penal, Direito Penal e Ciências Criminais.
Palestrante e Professora.
Vice-Presidente da ABRACRIM/PE – Associação Brasileira de Advogados Criminalistas.
Diretora Nacional de Relações Institucionais da ABCCRIM – Academia Brasileira de Ciências Criminais.
Presidente da comissão de processo penal constitucional da ABCCRIM
Coautora do livro Mulheres da Advocacia Criminal.
Premiada Mulher Evidência 2019.
Prêmio Destaque Nordeste.

Ligue
Rota
WhatsApp Fale com a Advogada!
%d blogueiros gostam disto: